Alunos de escola estadual criam copos de papel para mudas

0 358
Compartilhe Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPrint this pageEmail this to someone
No copo, as mudas podem ser cultivadas até ficarem prontas para o plantio direto no solo. Aí basta cavar um buraco na terra e plantar com o copo de papel e tudo.
Papel que para o lixo foi reciclado e transformado em copos para mudas. (Imagem: divulgação)
Papel que para o lixo foi reciclado e transformado em copos para mudas. (Imagem: divulgação)

Saem os copinhos, saquinhos de plástico e tubinhos e entra o papel para envolver mudas produzidas em viveiros para serem plantadas. A ideia surgiu no Rio Grande do Sul, entre os estudantes da Escola Estadual Técnica Agrícola Desidério Finamor, em Lagoa Vermelha. Em meio a uma “guerra de bolinhas de papel molhado”, os estudantes do 2º ano do ensino médio resolveram dar destino ao papel usado e jogado fora na escola e ao mesmo tempo facilitar o plantio de mudas de maneira ecológica.

Orientados pela professora Simone Elenice Castelan, o grupo de estudantes foi para o laboratório e desenvolveu um copinho feito com papel reciclado. O copo tem o tamanho certo para o plantio da semente até sua germinação. No copo, as mudas podem ser cultivadas até ficarem prontas para o plantio direto no solo. Aí basta cavar um buraco na terra e plantar com o copo de papel e tudo. O copo de papel se desmancha em cerca de cinco dias. Não deixa nenhum resíduo.

Os alunos testaram a técnica com tomateiros, tulipas, alfaces e roseiras. As mudas ficaram cerca de 18 dias se desenvolvendo nos copinhos de papel antes do plantio no solo. Nas experiências, as mudas ficaram no laboratório, em uma área seca. Um dos limites para o uso da técnica é o local onde ficam as mudas. Se for úmido, o papel desmancha. Se tiver muito solo, pode rachar.

O trabalho foi um dos premiados pelo Projeto Criativos da Escola, do Instituto Alana, em 2016. Segundo a professora Simone, a técnica dos copinhos ainda está em fase artesanal. “Hoje faz mais sentido para pequenas comunidades ou hortas comunitárias”, afirma. Mas ela acredita que os copinhos podem ser adaptados para produção industrial e usados em larga escala na agricultura.

(Fonte: Planeta Verde)

Compartilhe Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPrint this pageEmail this to someone

NO COMMENTS

Leave a Reply