Como recuperar o rio Doce

0 2541
Compartilhe Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPrint this pageEmail this to someone
Olhos D’Água, projeto de Sebastião Salgado, quer recuperar todas as nascentes do rio
Voluntários do Instituto Terra fazem levantamento de nascente na bacia do rio Doce. (Imagem: Inst. Terra).
Voluntários do Instituto Terra fazem levantamento de nascente na bacia do rio Doce. (Imagem: Inst. Terra).

Devolver à natureza o que décadas de degradação ambiental destruiu. O desafio já é encarado por Sebastião Salgado há alguns anos, através do projeto Olhos D’Água, desenvolvido na própria bacia do rio Doce, em Minas Gerais.

O fotógrafo Sebastião Salgado, premiado internacionalmente pelo seu trabalho atrás das lentes, é mineiro de Aimorés, uma cidade às margens do rio Doce. “Tenho muita ligação com o rio. Faz parte da minha vida”, disse o fotógrafo ao Blog do Planalto. “Passei minha infância lá. Foi lá que aprendi a nadar, que tirei minhas primeiras fotos. Hoje o rio morreu, ecologicamente. Não existe mais nada, não existe vida no rio. Primeiro morreu toda a fauna, a flora está morrendo. É um negócio chocante ver o ‘seu’ rio morrer. Essa tragédia me atingiu diretamente”, contou, pouco depois de o mar de lama tomar conta do rio.

Segundo Sebastião, “é possível” salvar o rio. O projeto Olhos D’Água abrange a regeneração dos cerca de 900 km de extensão do rio, que possui cerca de 370 mil nascentes. “Nós pretendemos recuperar todas elas”, afirmou.

“Quando houve essa catástrofe, é claro que o único projeto estruturado de recuperação das nascentes do rio Doce, era o nosso projeto”. Sebastião referia-se ao projeto que já vem sendo desenvolvido no Espírito Santo, através do Instituto Terra, idealizado pelo fotógrafo, cuja meta é recuperar mil nascentes na bacia do rio Doce.

Para ampliar essa ação ao longo de todo o rio, Salgado propõe a criação de um “mega fundo”, que custearia as ações.

“Resolver o problema do rio Doce é a médio, longo prazo, porque a curto prazo não resolve. E isso precisa de financiamento. O pensamento que a gente tem é de investir nesse fundo. Com o resultado, você consegue trabalhar a recuperação do vale, que não se fará em menos de 30 anos. Tem de garantir uma gestão ética, para poder ter uma utilização decente do fundo, com participação pública e privada”, detalhou.

O que está sendo feito

A mineradora Samarco terá que depositar R$ 2 bilhões nas contas da Justiça para garantir a adoção de contenção dos impactos, revitalização do Rio Doce e indenização das pessoas afetadas pelo rompimento da barragem Fundão, em Mariana (MG).

Licenças de concessões de exploração da Vale e BHP, que controlam a Samarco, estão suspensas.

As empresas também deverão formular um plano global de recuperação socioambiental da bacia do rio Doce e de toda a área degradada e apresentar um plano geral de recuperação socioeconômica para atendimento das populações atingidas pelo desastre.

A Samarco também terá que fazer, o mapeamento dos diferentes potenciais de resiliência dos 1.469 hectares diretamente atingidos, para averiguar a espessura da cobertura da lama, a eventual presença de metais pesados e o PH do material. A determinação ainda obriga a companhia a adotar medidas para retirar o volume de lama depositado nas margens do rio Doce, seus afluentes e as adjacências de sua foz.

O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama) e o Ministério Público Federal estão unificando ações para definir um plano de recuperação da bacia hidrográfica.

Enquanto a ação efetiva não chega, a lama ainda continua vazando na barragem rompida.

(Com informações do Instituto Terra e ABr)

Compartilhe Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPrint this pageEmail this to someone

NO COMMENTS

Leave a Reply