Indústria do Paraná reutiliza 90% dos resíduos gerados

Compartilhe Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPrint this pageEmail this to someone
Os números se baseiam em informações repassadas pelas indústrias e compiladas em relatório do IAP.

 Pouco mais de 90% dos resíduos gerados pelas indústrias instaladas no Paraná são reutilizados, reciclados ou recuperados. A informação é do Relatório da situação de inventário de resíduos sólidos industriais no estado do Paraná entre 2014 e 2015 realizado pelo Instituto Ambiental do Paraná.

Outros 8,5% são enviados para disposição final adequada, 0,9% segue para tratamento, 0,1% é enviado para disposição final não adequada e 0,1% enviado para coprocessamento.

Os números se baseiam em informações repassadas pelas indústrias que podem ser fiscalizadas pelo IAP sem aviso prévio para verificar a veracidade das informações e o cumprimento de demais normas ambientais.

Segundo os técnicos do IAP, quando a disposição final desses resíduos é inadequada, um dos mais graves problemas ambientais é a possibilidade de geração de passivo de solos contaminados.

O levantamento mostra que a região do Paraná que mais gerou resíduos sólidos industriais foi a Noroeste, que corresponde aos Escritórios Regionais do IAP de Cianorte e Paranavaí. A Região Metropolitana de Curitiba, incluindo a Capital, foi a que mais contribuiu para o levantamento com o envio de informações por ter maior presença de empreendimentos de atividades industriais.

Para fazer o diagnóstico, o IAP se baseou nos Inventários de Resíduos Sólidos Industriais que são repassados periodicamente pelos empreendimentos licenciados para obter a renovação das licenças ambientais. São 252 inventários enviados ao instituto até 30 de setembro de 2015.

“O gerenciamento de resíduos sólidos de qualquer origem requer responsabilidade coletiva e o envolvimento de todos os setores da sociedade em relação à geração e destinação, vislumbrando a preservação dos recursos ambientais, a economia de insumos e energia e a minimização da poluição ambiental”, explica a diretora de Monitoramento Ambiental e Controle da Poluição do IAP, Ivonte Chaves.

(Fonte: IAP)

Compartilhe Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPrint this pageEmail this to someone

NO COMMENTS

Leave a Reply