Manaus leva conscientização sobre água para a sala de aula

    0 1475
    Compartilhe Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPrint this pageEmail this to someone
    Projeto inclui peça de teatro e oficinas de educação ambiental
    O encontro das águas dos rios Amazonas e Negro. (Foto: divulgação)
    O encontro das águas dos rios Amazonas e Negro. (Foto: divulgação)

    Um projeto para ensinar crianças e adolescentes a economizarem água.

    Alunos das escolas públicas de Manaus, no Amazonas, estão aprendendo, através do projeto “Circuito Viva Rio Negro”, atitudes sustentáveis sobre o uso consciente da água.

    “O objetivo maior dessa ação é levar educação ambiental para dentro das escolas. Pretendemos despertar a responsabilidade dessas crianças, que são o futuro do nosso planeta, alertando-os sobre a escassez da água. Com essa atitude esperamos prolongar a fonte mais rica e indispensável da humanidade e quem sabe aumentar em anos a previsão feita pela ONU”, explica Ana Carolina Xavier, diretora da Cultura Sustentável, empresa responsável pelo projeto.

    A iniciativa conta com ações que serão realizadas dentro dos colégios para crianças a partir de cinco anos: apresentação da peça teatral “Este rio é a minha vida” e oficinas de educação ambiental com entrega de cartilha sobre o assunto. Os personagens da peça contarão histórias sobre a natureza que cerca a Amazônia: rios, lagos, igarapés e animais. Além disso, a apresentação aborda os cuidados que devemos ter para preservar o meio ambiente.

    Amazonas

    O rio Amazonas cruza a maior floresta tropical do planeta e ainda receber mais de mil afluentes, alguns com mais de 1,6 mil quilômetros. A profundidade média do Amazonas é de 50 metros. Em seu ponto mais profundo, a 120 metros, a estátua da Liberdade, de 91,5 metros, desapareceria. Em média, o rio tem 15 quilômetros de largura – na foz, atinge 300 quilômetros.

    Desperdício

    De acordo com o relatório do Sistema Nacional de Informações sobre saneamento (SNIS), o Brasil desperdiçou em 2013, 37% de toda a água tratada. Uma família que se utiliza de ligações clandestinas para se abastecer gasta, em média, quatro vezes mais que uma família que cuida do seu consumo.

    Compartilhe Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPrint this pageEmail this to someone

    NO COMMENTS

    Leave a Reply