Mudança na matriz energética não acompanha a velocidade de aquecimento do planeta

0 279
82% dos processos ecológicos fundamentais à manutenção da vida, como a diversidade genética, já foram afetados pelo aquecimento da Terra.

terra1a

O aquecimento do planeta anda mais rápido do que os países modificam sua forma de gerar energia para suprir o consumismo que se enraizou no mundo como sinônimo de qualidade de vida.

A constatação é do Índice de Desempenho de Mudanças Climáticas de 2017, apresentado na COP 22 – a conferência da ONU sobre o clima, em Marrakech. “A revolução energética necessária ainda está acontecendo muito lentamente”, diz o relatório, insuficiente para manter o aquecimento do planeta abaixo dos 2 graus Celsius, como pretendiam as nações. Dos 58 países responsáveis por 90% das emissões de CO2 cuja origem está relacionada aos combustíveis fósseis, nenhuma obteve um avanço significativo para reduzir essas emissões.

Vida comprometida

Enquanto isso, um estudo realizado por pesquisadores americanos publicado na revista Science mostra que a maioria dos seres vivos da Terra já foi afetada pelo aquecimento global. Segundo esse estudo, 82% dos processos ecológicos fundamentais à manutenção da vida, como a diversidade genética e os modelos migratórios de algumas espécies, já sofreram alterações em suas características físicas e fisiológicas.

O estudo não para por aí. Segundo os pesquisadores, essas alterações irão afetar a espécie humana, causando surtos de doenças, modificando o crescimento de alimentos e reduzindo a produtividade da pesca e, dessa forma, colocando em risco a segurança alimentar.

O estudo analisou 94 processos ecológicos e alertou que, quanto maiores as mudanças nos ecossistemas, menos provável será sua capacidade de defesa contra efeitos severos das mudanças climáticas.

NO COMMENTS

Leave a Reply