O que fazer com os rejeitos da mineração?

Compartilhe Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPrint this pageEmail this to someone
Para cada tonelada de minério de ferro processado, por exemplo, é gerada cerca de 0,4 tonelada de rejeitos
O Brasil tem 663 barragens de contenção de rejeitos de mineração e 295 barragens de resíduos industriais. (Imagem: ABr)
O Brasil tem 663 barragens de contenção de rejeitos de mineração e 295 barragens de resíduos industriais. (Imagem: ABr)

Depois de Mariana, as discussões sobre o que sobra nas minas após a extração dos minérios que interessam à indústria ganhou em intensidade.

A mineração é o combustível das indústrias, essencial à economia. Ocorre que, como toda atividade econômica, a mineração gera resíduos que são descartados em barragens de conteção, como as que se romperam em Minas Gerais e mataram o rio Doce.

A boa notícia é que esses rejeitos da mineração podem ser tratados, recuperados e comercializados, já existindo soluções tecnológicas para minimizar seu armazenamento ou até mesmo extinguir as barragens de rejeitos.

O Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo – IPT iniciou um projeto de capacitação que está mapeando a produção de rejeitos das empresas de mineração que operam no Brasil e avaliando a maturidade das tecnologias aplicadas para sua recuperação e comercialização.

Com o mapeamento, que deverá estar pronto até maio, será possível propor rotas tecnológicas para recuperar os rejeitos de cada mina, levando em consideração as especificidades do cenário brasileiro e as características de cada tipo de minério.

“O minério é um agregado rico em determinado mineral ou elemento químico que é viável, do ponto de vista econômico e tecnológico, para extração. No processo industrial é preciso separar este material de interesse de todo o resto, que é descartado como rejeito.

Num cenário em que já não há reservas brasileiras de alto teor, essa quantidade de rejeitos só tende a crescer. Recuperar esses resíduos, portanto, possui um fim tanto ambiental quanto econômico, pois é possível dar outra destinação comercial ao que geralmente é descartado, diminuindo também a quantidade de resíduos para o meio”, explicou Sandra Lúcia de Moraes, coordenadora do projeto.

O montante de rejeitos gerados nos processos de produção de substâncias minerais pode ser estimado a partir da diferença entre a produção bruta e a produção beneficiada. O que impressiona é que a quantidade de rejeitos, em alguns casos, é igual à da substância produzida.

Para cada tonelada de minério de ferro processado, por exemplo, é gerada cerca de 0,4 tonelada de rejeitos. Uma projeção preliminar para o período 2010-2030 aponta que o beneficiamento de minério de ferro irá contribuir com aproximadamente 41% do total de rejeitos gerados pelas mineradoras no Brasil.

“As tendências da indústria da mineração apontam para um cenário de maior competitividade em decorrência do empobrecimento, nas últimas décadas, dos teores dos minérios lavrados e beneficiados. Assim, o aumento da recuperação de mineral útil é uma vantagem competitiva preponderante para o sucesso futuro dos empreendimentos mineiros”, disse Sandra.

(Fonte: Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo/ Inovação Tecnológica)

Compartilhe Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPrint this pageEmail this to someone

2 COMMENTS

  1. Olá,

    gostaria de saber sobre a utilização destes rejeitos em construções com terra ensacada.
    No caso Hiperadobe.

    Obrigada

Leave a Reply