Uma viagem pela Mata Atlântica

SOS Mata Atlântica lança o terceiro livro sobre um dos biomas mais ameaçados do país
Mata Atlântica em Santa Catarina. (Imagem: Fatma).
Mata Atlântica em Santa Catarina. (Imagem: Fatma).

“Extremos da Mata Atlântica”.

O terceiro volume da série SOS Mata Atlântica, escrito pelo jornalista Sérgio Adeodato, com coordenação editorial de Maura Campanili, passa pelos quatro cantos da Mata Atlântica e vai além das percepções sobre o território e seu estado de conservação.

Trata-se de um conceito atual diante dos dilemas socioambientais do planeta: a noção de extremo, de limite. E visita os pontos mais distantes do bioma.

Marcia Hirota, diretora-executiva da Fundação SOS Mata Atlântica, ressalta que “O livro é um marco dos 30 anos da Fundação SOS Mata Atlântica e dos 30 anos do monitoramento do desmatamento da Mata Atlântica. Ele apresenta histórias e lugares ainda pouco conhecidos desse rico e diverso bioma, como a Serra do Amolar em Mato Grosso do Sul e os Parques Nacionais da Serra da Capivara e da Serra das Confusões no Piauí. É a Mata Atlântica de ponta a ponta desvendada para todos”.

Segundo Sérgio Adeodato,  “A viagem aos pontos mais extremos da Mata Atlântica permitiu constatar a diversidade de paisagens e culturas, para além da tradicional imagem das montanhas de floresta que beiram o mar. Vimos as belezas, mas também flagramos as ameaças que rondam a fauna, a flora e as condições de vida nessas regiões limítrofes de transição entre biomas, extremamente sensíveis sob o ponto de vista biológico e social. Devido ao isolamento dos grandes centros, esses lugares muitas vezes carecem de maior atenção do Estado e de políticas públicas. Descortinar essas diferentes realidades é ponto de partida para mobilizar mudanças”.

Os outros dois títulos da série são “25 anos de Mobilização” e “O azul da Mata Atlântica”.

O livro é disponibilizado gratuitamente para download. Clique no link https://www.sosma.org.br/105197/publicacao-desvenda-os-extremos-da-mata-atlantica/

NO COMMENTS

Leave a Reply